Pesquisar neste blogue

segunda-feira, março 15, 2010

Angústia

Não vim domar teu corpo esta noite, ó cadela
Que encerras os pecados de um povo, ou cavar
Em teus cabelos torpes a triste procela
No incurável fastio em meu beijo a vazar:
Busco em teu leito o sono atroz sem devaneios
Pairando sob ignotas telas do remorso,
E que possas gozar após negros enleios,
Tu que acima do nada sabes mais que os mortos:
Pois o Vício, a roer minha nata nobreza,
Tal como a ti marcou-me de esterilidade,
Mas enquanto teu seio de pedra é cidade.

De um coração que crime algum fere com presas,
Pálido, fujo, nulo, envolto em meu sudário,
Com medo de morrer pois durmo solitário.

Mallarmé

3 comentários:

  1. Que agressividade pra dizer que ama; tem um tal cantor por aqui, que diz que os brutos tb amam...
    (eu falei q aparecia)rs rs

    ResponderEliminar
  2. "mallarmé" é só pa disfarçar
    ;)

    ResponderEliminar