Pesquisar neste blogue

segunda-feira, outubro 29, 2012

dum pincel



Comprei um pincel aos chineses que logo perdeu os pintelhos. Usei o apara-lápis para afiar as duas pontas e numa espetei uma pequena bola de resina de árvore chorosa. Agora, jaz junto a dois maracujás podres que olham, receosos, a outra ponta afiada do pauzinho Nº 11 que fora cabo de pincel oriental. Não fotografo o conjunto porque... não quero. E se alguém disser que isto não é um poema, é um ignoto ignorante.

1 comentário: